Escritórios virtuais, com secretária e telefone, reduzem custos fixos

Ter um escritório em endereços comerciais bem localizados na cidade de São Paulo não é acessível a todos os empreendedores, mas existem alternativas para pequenos empresários e profissionais autônomos que querem ter local fixo por um custo menor.

Prática bem conhecida em muitos países, alugar escritórios virtuais ainda é pouco comum no Brasil. A ideia é que o empresário tenha, de maneira geral, endereço e secretária fixos disponíveis em horário comercial e salas para realizar encontros e reuniões comerciais, caso precise.

“Ninguém quer estar amarrado a contratos e perder tempo montando infraestrutura”, afirma André Kielblock Martines, um dos sócios da VBA Business Center, empresa paulista que atua com escritórios virtuais.

Em tempos de “home office”, diz o empresário, cresce a demanda por esse tipo de espaço. “[O empreendedor] não se preocupa com infraestrutura, nem com custos com empregados e consegue focar-se apenas em seu negócio”, afirma ele, que cobra cerca de R$ 290 por mês em um plano virtual — que inclui a disponibilidade do endereço para recebimento de correspondência, número de telefone e secretárias para atender os recados.

O aluguel das salas, caso o empresário queira fazer uma reunião ou atender a um cliente, é cobrado a parte. “Flexibilidade é a alma do negócio”, afirma Martines.

A flexibilidade é o que chamou a atenção dos empresários da Apparatus Cursos Jurídicos, de cursos de preparação para magistratura trabalhista.

“Como as aulas não são todos os dias, [o escritório virtual] compensa”, afirma Samira Rodrigues, 39, gerente da empresa.

Ela ressalta, contudo, que, na hora de escolher o escritório, é preciso considerar a localização do espaço. “Se não forem bem estruturados, não vale a pena”, alerta Rodrigues.

TRAMPOLIM
Contratar um escritório virtual, segundo empresários, pode ser um teste para a abertura de um local fixo.

No DBC Business Center, outro escritório de escritório virtual em São Paulo, parte dos clientes é formada por empresários do exterior, conta Bruno Henrique de Azevedo Ferreira, gerente comercial da empresa.

As empresas, diz, vêm ao país para testar mercado e, quando sentem que existem oportunidades, fixam-se.

“Temos clientes que trabalham com “home Office”, autônomos, pequenas e médias empresas e até empresas do Japão”, conta Ferreira.

OPORTUNIDADES
Aproveitando esse mercado, o contador Gabriel de Carvalho Jacintho lançará em setembro, em Santos (a 72 km de São Paulo), o Espaço Certo — de escritórios virtuais.

“Decidi abrir na região por conta do crescimento do setor petrolífero”, diz ele.

em julho 10, 2014, publicado em Notícias por

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *